sábado, 3 de julho de 2010

ANUNNAKIS, OS DEUSES ASTRONAUTAS.



O tema que venho abordar hoje é um tema sério e difícil de ser encontrado na maioria dos livros. O assunto sobre a polêmica e provável hibridação humana nos primórdios da criação está fundamentado em pesquisas de assiriológos, em pictografias sumérias, assírias e babilônicas. Em paralelo a essas informações, tentei argumentar meus escritos de acordo com as traduções de fragmentos do "Épico da criação", textos Mesopotâmicos, a Saga de Gilgamese, Épico Atra Hassis e outros. Não pude conter a especulação em narrativas do Livro de Jubileus, Livro de Enoque e Gênesis.
Fontes questionáveis? Quais não são? Até as Teorias Evolucionistas estão às margens da descrença. Entretanto, estou bem apoiada, trouxe aqui um resumo dos documentos mais antigos que se têm conhecimento.O meu intuito é trazer novas idéias e fazer com que as pessoas se interessem e busquem informações, mesmo que adversas. Sou aberta a críticas e sugestões, pois também estou no caminho da aprendizado. Por isso, busco por um ponto de vista diferente ao que eu sempre tive, certa de que nenhum conhecimento ou idéia lançada aqui subtrairá princípios. Sou reles estudiosa e pesquisadora no assunto e não estou aqui para convencê-lo de nada, apenas desejo mostrar outros prismas de conhecimentos que sempre foram consideradas irrevogáveis pela ciência e pela religião.
Todavia, Darwin que me perdoe. Acredito mais em assiriólogos decifradores de escritas cuneiformes sumérias, bem como em pesquisas científicas atuais como o "Projeto Genoma Humano", liderada por Sam Shang, cuja afirmação é de que 97% do DNA humano é de origem extraterrestre, com base em seqüências não codificadas de genes.O Projeto Genoma Humano é o grande empreendimento científico-tecnológico do mundo desenvolvido, deste final de século. O seu principal objetivo é mapear todos os genes do genoma humano, bem como descrever a seqüência completa de todos os nucleotídeos que formam a longa hélice de DNA nos 23 pares de cromossomos humanos.
***
Nesse momento, a Palestina está em conflito religioso. Provavelmente essa guerra tenha seu início em desenlaces entre homens e deuses desde os primórdios de nossa civilização. Quem pode garantir a veracidade dessa idéia? Ou quem pode contrariar com toda exatidão de fatos? Eu me vejo incapaz, porém, conflitos religiosos inexoravelmente estão ligados a um passado mais longínquo do que possamos imaginar. Pensem nisso depois que vocês lerem o texto abaixo.

"E aconteceu quando os seres da Terra aumentaram em número sobre a Terra. E as filhas eram geradas por eles. Que os filhos de Elohin viram que as filhas de Adão eram compatíveis e eles a desposavam como bem entendessem". Gênesis 6 : 1,2.
PRIMEIRA DINASTIA DE ANUNNAKIS:
O termo Reptiliano ou Anunnaki que uso aqui significa o mesmo que Elohim citado em Gênesis, Nephelim citado no livro de Enoque. Todos esses termos significam: aqueles que do céu vieram à Terra. Vários livros extrabíblicos chamados Apócrifos – Livro de Jubileus, o livro de Enoque, o Livro de Noé registraram incidente inter- racial de Nefillins com detalhes.

Há aproximadamente 5000 anos a.C, os reptilianos, seres vindo de um planeta desconhecido chamado Nibiru, vieram à Terra em busca de ouro a fim de restaurar e proteger a atmosfera doente de seu planeta.
Constatada a presença de ouro inicialmente onde atualmente correspondem as águas do Golfo Pérsico, Anu, o regente do planeta Nibiru, veio para dividir as terras entre seus dois filhos: Enki e Enlil. Assim foram feitos sete assentamentos de Terra e a região dessas cidades foi dado o nome de E.din, dando origem ao termo Jardim do Eden, tendo como capital Nippur, denominada o "Umbigo do mundo".

Assim, foi codificada na região da Mesopotâmia, entre os rios Eufrates e Tigre, a primeira Elevada Civilização Suméria com duas jurisdição Sagradas e divindade que era presidida nas "Zigurates". Todos os assentamentos contavam com a construção complexa de um Zigurate, tendo um pastor Anunnaki para governar em nome de um semi-deus, promulgando um sacerdócio, código de justiça e moralidade. Além de promover a arte, escultura, música, dança, dar início à escrita, a Ordem Sexagesimal utilizada ainda hoje por nossos matemáticos (nossa hora tem sessenta segundos por causa dos sumérios), grandes conhecimentos de agricultura, astronomia, astrologia, carpintaria e metalurgia. Assim, nasceu a mais surpreendente civilização sem precedentes em seu elevado nível intelectual trazendo também grandiosas edificações, organizações sociais e administrativas complexas, códigos de leis, literatura (vários contos Épicos), arte, instrumentos musicais. Os sumérios também foram responsáveis pela descoberta do vidro, da roda, da cerâmica, das letras de nosso alfabeto, dos pesos e as medidas. Também foram os responsáveis pelo primeiro calendário de Nippur dos sacerdotes para determinar o período de festivais religiosos, e que, hoje em dia consiste no calendário religioso judaico.

Um dos filhos desse regente, Enlil, ficou no comando do Centro de Controle da Missão em Nippur. Para Enki ficou a responsabilidade de controlar DURANKI, a ligação entre céu e Terra, com seus espaçosportos, corredor de aterrissagem e sofisticadas torres de comando de vôos espaciais, dando informações de órbitas até hoje utilizada pela astronomia mundial. Ao contrário que se pensa, não foi o astrônomo grego Hiparco quem descobriu as casas zodiacais,já existiam referências sobre as casas zodiacais nos escritos sumérios.
Entre Nippur e Sippar contruíram um corredor de aterrissagem onde o ponto focal era a característica topográfica mais visível do Oriente Médio "Os Picos gêmeos do Monte de Ararat", onde fizeram também um Centro de Controle da Missão e um Porto Espacial. Assim, estabeleceram um novo trajeto de aterrisssagem ancorado nos picos gêmeos de Ararat e nas pirâmides de Giza.
Construíram uma vasta plataforma de pedra que sobreviveu ao dilúvio, onde consta no Épico de Gilgamesh, que servia ao rei em busca de sua imortalidade.
Segundo o épico, foi nessa sagrada floresta de cedro que Enlil guardou o Guid, anna " O Touro do céu".

Nessa época, já contavam com mais de seiscentos Anunnakis sobre a face da Terra e 300 IGI.Gi( indicação de escritos sumérios) que tripulavam a Estação Espacial Intermediária. Então, segundo um trecho da escrita suméria denominada "Èpico de Atra Hassis" que narra quando eles se cansaram do trabalho árduo nas frentes de extração de ouro e, consternados, resolveram "colocar a Marca deles" nos homens primitivos existentes sobre a Terra. Dessa forma, através da hibridação, os Anunnakis desenvolveram o homo sapiens, dando início a raça humana.
A Bíblia reconhece dois fatos: o casamento entre parentes antes do Dilúvio, os descendentes vieram heróis antigos, os homens renomados descendentes de Enki, que tiveram uma vida muito longa, cerca de 600 anos de vida. Os primeiros oito versos do capítulo 6 de Gênesis apontam para os casamentos e sua descendência com a causa divina.
Grande Dilúvio
Entretanto, 342 anos após houve o grande Dilúvio na região da Mesopotâmia, onde foi devastada aproximadamente cem quilômetros de extensão na região cobrindo os centros de comandos com toneladas de lama. Vários textos sumérios e Acadianos contam a história do Dilúvio e também dos dois deuses envolvidos Enlil e Enki. Há sinais em que tenha havido uma devastação em uma área de 100.000 quilômetros próximos a UR, norte de Bagdá. Biblicamente diz que Noé era um homem de genealogia perfeita, pois a longevidade dele e de seus descendentes chegava a 600 anos. A Bíblia também afirma que Noé caminhava junto com Elohim. Textos sumérios o chamam de Ziusudra, filho de um semideus de Enki.
Com o Grande Dilúvio, Enki e Enlil retornaram ao seu planeta de origem e deixaram seus semi-deuses (filhos)na Terra para que fossem formadas novas bases com o assentamento de novas Torres de comando e centros de mineração. Assim se formou a

SEGUNDA DINASTIA DE ANUNNAKIS NA TERRA: Aprox. 3460 a.C

Foi formada pelos filhos de Enki e de Enlil: Marduk e Ninrurta. É o período da primeira dinastia faraônica do Egito, em 3110 a.C, onde se deu a ida de Marduk, o Rá, filho de Enki, para o Egito. O plano piloto era estabelecer uma conexão espacial crucial na era Pós diluviana. Após o Dilúvio, eles esperaram a secagem da terra entre o Rio Eufrates e Tigre para recolonização, o nome dessa terra era Sinar. Assim, foi instaurada uma nova dinastia de Anunnakis já filhos de Anunnakis com mulheres da Terra.

" E aconteceu que, tendo eles partido do Oriente, encontraram um vale na terra de Sinar e ali se estabeleceram. O tijolo serviu-lhe como pedra e o betume serviu-lhe como cal. E disseram: Vinde, construa-nos uma cidade e uma torre cujo topo alcance os céus".
Oras, sabendo que o barro seco sem rochas nativas, o uso de betume (petróleo natural) brotava no sul da Mesopotâmia era totalmente ausente na Terra de Israel.

Nesse novo estabelecimento de Terras entre os 3 filhos foi divididos entre terras da Ásia ( Terras de Shem), Europa ( descendente de Jafé) e África ( Terras de Ham).
O porto espacial pós diluviano na Península do Sinai foi deixado de lado e considerado uma Região Sagrada Neutra.
Marduk escolheu o antigo local entre Rio Eufrates e Tigre para servir seu novo quartel. Entre a reconstruída Nippur ( centro de controle de Missão pré- diluviana).
Marduk mandou construir Lagash de pedra para observação de Solares de Solstícios e Equimócios.

Então, Sippar foi considerado o centro da Lei e da Justiça. Ainda hoje existe a Torre de Pedra no local.
Nesse período teve o incidente da Torre de Babel, em 3460 a.C, provocado por Marduk, quando ele colocou o controle dos locais espaciais no Centro dos assuntos dos deuses e dos homens criando muita guerra. Esse episódio bíblico narrado por Gênesis 11:2 – 4,era a tentativa audaciosa de Marduk construir sua própria instalação espacial em sua própria torre de lançamento. ficou conhecido como "Torre de Babel".
Essa face Acadiana de guerra e de paz na Terra ocorreu com envolvimento celestiais e messiânicos.

TERCEIRA DINASTIA DE ANUNNAKIS NA TERRA:

Jovens anunnakis desposavam fêmeas terráqueas. Assim, Marduk teve Nabu com terráquea formando a terceira dinastia de anunnakis. Assim também nasceu UTU e INANNA, terceira geração de Anunnakis.
Esse período foi responsável pelo desaparecimento da civilização Suméria devido a uma explosão nuclear na região em 2024 a.C.
Foi a dinastia formada pelo patriarca Abrão citado no evangelho, filho de Noé, Shem. Abrão era sumério ( nome que significa amado do pai) e possuía também ancestralidade especial.

Porém, esse período foi o mais glorioso da civilização Suméria, com o início da centralização das manifestações messiânicas em Jerusalém.
Entretanto, foi o marco do fim da civilização Suméria com uma nuvem nuclear mortal. Em 2160 a.C, os anais da Suméria e Acádia registram importantes mudanças políticas conduzidas por deuses Enlilitas. Pelos egiptólogos foi o marco do início do primeiro Período Intermediário, o início entre o final do Antigo Império e o início dinástico do Médio Império. Onde a capital político religiosa ficou em Memphis, no médio Egito.
O final da Era Sargônica de Ishtar ou Inanna foi através do uso de armas nucleares usadas na Península do Sinai e nas proximidades do Mar Morto, com destruição de cidades de Sodoma e Gomorra. Segundo a versão bíblica a destruição de Sodoma e Gomorra foi uma revolta por fogo e enxofre e não foi uma calamidade natural. A Bíblia cita que Abrão negociou com os céus para que não fosse destruída as cidades dos ímpios.
"Abrão levantou-se mais cedo e olhou em direção a Sodoma e Gomorra. E na direção da planície viu subir da terra como se fosse a fumaça de uma fornalha".

"Os deuses abandonaram o seu posto e foram para a altura dos céus". Textos mesopotâmicos sobre a guerra nuclear.

Atualmente, a região acometida pela explosão nuclear está coberta por pedras enegrecidas e esmagadas com grande quantidade de Isótopo de Urânio 235, o que constata o calor de origem nuclear na região. Na vista aérea percebe-se uma grande cratera na região.

CONTINUA EM PRÓXIMA POSTAGEM.
ANABEL SAMPAIO

3 comentários:

Blanca Paes (Jawa Khan Syon) disse...

Execelente texto! Li sobre isso tb em o 12º Planeta de ZECHARIA SITCHIN. Muitíssimo Interessante

Marco Giroto disse...

Não concordo que os Reptilianos sejam os Anunnakis vindos do planeta Nibiru. Não existe em nenhum documento traduzido atualmente algo que de a atender que os Anunnakis eram os Reptilianos que são uma raça totalmente diferente e pouco menos evoluída.

Segundo o que andei estudando, quando os Anunnakis chegaram a Terra, só havia aqui o "homo habilis". Então Enki foi lá e fez uma "mistura" utilizando DNA Anunnaki e DNA do "homo habilis". Desse embrião que foi gerado no ventre de uma fêmea Anunnaki, nasceu o primeiro "homo erectus".

Então, os Anunnakis começaram a cruzar com o "homo erectus" dando assim origem ao "homo neanderthalensis. Com o tempo e mais alguns cruzamentos e modificacoes, surgiu o homo sapiens.

Levando-se em consideracao o aspecto de um possivel Reptiliano, ele nao possuem nada em comum conosco, uma vez que fomos criados a imagem e semelhanca dos Anunnakis e nao dos Reptilianos.

Eh o mesmo que afirmar que temos em nosso DNA parte do DNA dos Greys.

Se quiser, podemos continuar a falar sobre isso e chegar a uma verdade.

Abracos.

Bia Franco disse...

Olá, Annabel! Meu nome é Bianca Franco estou lendo seu livro Anunnakis da Madras; estou gostando muito. Você pode me ajudar com duas dúvidas? A primeira é que se introduziram Gene reptiliano no nosso cortex para nos tornar "burros" então como podem esses mesmos reptilianos serem mais evoluídos a ponte de nos manipular? Segunda: Existe alguma defesa ou defensores que não sejam os governantes, uma entidade superior que nos protege?