Obras

Autora dos livros:

* Anunnakis, os Deuses Astronautas - Editora Madras
* A Conspiração Anunnaki - Editora De Geneve
* Ouro de Ofir - Alquimia do Antigo Egito - Editora De Geneve
* Efeito Exillis - O Segredo das Sociedades Secretas
* Mito - Livro de Poesias
* Operação Rhesus - Em busca do Elo Perdido ( Recém lançado. Maio 17)
* 2162 - O Código Secreto de Hitler

À VENDA NAS LIVRARIAS SARAIVA, AMAZON.

sexta-feira, 18 de junho de 2010

A RELAÇÃO ENTRE O ALINHAMENTO GALÁCTICO E AS CRATERAS GIGANTESCAS ENCONTRADAS NA GUATEMALA E NA CHINA.


Existem fenômenos naturais como chuvas, maremotos, terremotos, etc., porém, nem todos os fenômenos geológicos podem ser atribuídos à dinâmica de incidentes climáticos. A explicação de muitos dos fenômenos ocorridos na Terra está inserida dentro de um raciocínio que busca compreender a dinâmica eletromagnética dos astros, nos forçando a contextualizá-los em escalas de conhecimento mais profundos. Um exemplo são as crateras gigantescas que surgiram em 2010 na Guatemala e na China, com respectivamente 60 metros de profundidade e 20 metros diâmetro e 150 metros de diâmetro por 50 metros de profundidade.

OPINIÕES NA IMPRENSA SOBRE A CRATERA DA GUATEMALA:
Alexandre Pontes Ferreira, em 2010-06-03 às 02:25, disse:
Creio que este fenomeno é completamente diferente de tudo o que nos todos já vimos. esta formação jamais poderia ter se formado de maneira natural, com esta circunferencia perfeita, faz-me lembrar das escavações do Eurotunel. Não posso aceitar que apenas vazão de agua faria isso. fromando um cilindro perfeito e angulo reto, ainda ve-se que o solo esta seco e firme desmentindo qualquer possibilidade de encharque do solo afrouchando sua estrutura dessa formação. Acredito que algo de muito serio esta acontecendo, e que as autoridades estão nos omitindo.

Tempestade abre cratera gigante na capital da Guatemala
Geólogos acreditam que solo rico em calcário aliado a chuvas terá sido a causa do fenómeno


Nota da National Geographic: O geólogo Sam Bonis, da Dartmouth College, de New Hampshire, EUA (atualmente morando na Cidade da Guatemala): as crateras que apareceram no domingo foram causadas por ação humana. A cavidade formou-se devido à infraestrutura subterrânea da Cidade da Guatemala. Nas primeiras centenas de metros do solo, a formação é composta por pedra-pomes, uma rochja que se formou durante vulcanismo e ficou impregnada de gases, ficando que nem um “queijo-suíço geológico”. Sua densidade é muito pequena, a ponto desta rocha ser capaz de boiar na água, dada a quantidade de ar presa dentro dela. Isso acarreta em rápida deterioração, ou seja, a rocha se desfaz com maior facilidade, e ao perder a sustentação, tudo desaba, formando crateras.
Assim, como não há calcário logo nas primeiras camadas do solo abaixo da Cidade da Guatemala, o terreno torna-se instável, já que a pedra-pomes se dissolve com facilidade. Segundo ele, as erupções recentes de vários vulcões na Guatemala cobriu a cidade com uma nova camada de cinzas vulcânicas. Se esse material entrou nas tubulações da cidade e de esgotos, pode ter entupido as passagens, acarretando rupturas no solo.

Alexandre Pontes, em 2010-06-05 às 02:19, disse:
circulo perfeito e ângulo reto sem vestigio de encharque por água nas paredes da cratera, isto leva-se a crer que foi feito e não se formado. Ou uma antiga mina , sei lá. Menos formada de maneira natural, alguem tem que descer lá.
Denner William Ovidio, em 2010-06-04 às 02:15, disse:Por incrível, que numa foto área, posso perceber que no final da cratera é oco não tem nada por dentro.

OUTRAS NOTÍCIAS: Os geólogos, que examinaram o fenômeno, asseguram que a forma circular perfeita sugere a existência prévia de covas subterrâneas. No entanto, ainda não existem respostas concretas para explicar este mistério. “Posso assegurar o que não é. Não se trata de uma falha geológica nem de um resultado de um terramoto. É tudo que sabemos. Para investigarmos mais temos de descer”, explicou David Monterroso, engenheiro e geofísico da Agência Nacional da Guatemala para os Desastres Nacionais. Crateras como as da imagem formam-se em sítios em que o subsolo é rico em calcário, sais ou outras rochas solúveis e que se dissolvem facilmente em contacto com a água. Neste caso, acredita-se que a tempestade tropical Agatha alimentou uma corrente subterrânea que foi minando e destabilizando o terreno que acabou por se afundar na totalidade.

05/06/10-Cratera na Guatemala pode ter surgido como Buraco das Araras
A cratera com 60 metros de profundidade que surgiu nesta semana na cidade da Guatemala, na América Central, e engoliu um edifício inteiro, pode ter sido causada pelo mesmo tipo de acidente geológico que formou o "Buraco das Araras", no município de Jardim (MS). Em Mato Grosso do Sul, a cratera é bem maior que a guatemalteca. O Buraco das Araras tem 500 metros de diâmetro e 127 de profundidade e recebeu esse nome por causa da quantia de araras que habitam o local. No fundo existe um ecossistema próprio e até um lago onde vivem jacarés.


CONTINUANDO A MINHA LINHA DE PENSAMENTO
De acordo com a explicação primária de geólogos o fenômeno das crateras recebe o nome técnico de Dolina e ocorre em solos onde há rochas calcárias que se diluem com a ação da água.
Será que se tratam mesmo de "Dolinas"?
Entretanto, há uma explicação mais aprofundada sobre o fenômeno que vem assustando o mundo. Essa explicação se refere à Magnetosfera e ao aumento da incidência de tempestades solares provocadas pela aproximação do fenômeno do ALINHAMENTO PLANETÁRIO, previsto para o dia 21 de dezembro de 2012.

Investigações experimentais realizadas na superfície terrestre sobre as variações temporais do campo eletromagnético da Terra possibilitam o estudo de diferentes processos eletrodinâmicos em meios ionizados. A propagação desse campo no interior da Terra induz campos secundários que distribuem a condutividade elétrica na crosta e no manto superior terrestre podendo provocar alterações na crosta terrestre (um conhecimento básico em estudos de Geofísica Básica e Aplicada). Essas variações podem vir de correntes elétricas fluidas da ionosfera.
http://www.dge.inpe.br/geoma/

A Magnetosfera, "Cinturão de Van Allen” ou campo magnético da Terra, é uma região envoltória de nosso planeta que serve como um escudo protetor da Terra, protegendo nosso planeta das partículas solares e do vento cósmico. Esse campo magnético controla os processos eletrodinâmicos da atmosfera ionizada e de plasmas. Porém, ao contrário do que se acreditava ele não é tão homogêneo. Ele possui dois buracos gigantescos, que se ampliam ou diminuem dependendo do alinhamento dos campos magnéticos da Terra e do Sol.
A magnetosfera e seu entorno podem ser segmentados em regiões com características físicas próprias. Na região em direção ao Sol, na incidência do plasma solar há uma frente de choque, região que se traduz por uma descontinuidade nos parâmetros físicos do meio e uma bainha magnética heterogênea que protege a crosta terrestre em graus diversificados, bem como afeta também o ambiente espacial em torno de nosso planeta e sua atmosfera mais baixa. Por isso, a superfície da Terra pode sofrer grandes erosões no solo, por hora inexplicável aos geólogos, como por exemplo, a cratera gigantesca e misteriosa da Guatemala e da China.

A Magnetosfera foi descoberta em 1958, pela sonda espacial Explorer 1, mas somente com o lançamento do conjunto de 5 satélites da missão Themis, em 2007, os cientistas estão obtendo conhecimentos em maiores detalhes desse escudo protetor da Terra. Sua altitude é de cerca de 70.000 km, variando de acordo com a intensidade do vento solar. Na parte traseira, afunilada, correspondente ao lado noturno da Terra, ela pode chegar a 200 vezes o raio da Terra (mais de 1,2 milhão de km) embora até hoje nenhuma medição precisa tenha sido feita.

Entretanto, foi confirmado por dados de satélites da missão Themis, a presença de dois grandes buracos acidentais na Magnetosfera provocados por campos magnéticos opostos que se ligam formando uma reconexão magnética, "rasgando" a Magnetosfera. Esses rombos gigantescos expõe a Terra às Tempestades solares que podem sobrecarregar as linhas de transmissão de energia, causando até mesmo interrupções e apagões em grande escala, bem como, incidentes de proporções catastróficas na superfície de nosso planeta. As partículas energizadas das tempestades solares colocam também em risco os satélites e sondas em órbitas altas.

Para aumentar o risco dessas crateras se espalharem pelo planeta existe o agravante: estamos às portas do Eclipse total do sol dentro da galáxia, o maior e mais obscuro Eclipse Solar jamais visto desde a criação do mundo.
A Terra dá um giro completo em torno de seu eixo a cada 24 horas e, ao mesmo tempo, ela órbita em torno do Sol em 365 dias e 6 horas, movimentando-se lentamente para o leste à razão de um grau em cada 72 anos, completando assim um ciclo em cada 26 mil anos, denominado como “Alinhamento galáctico”.
Essas órbitas foram narradas pela Civilização Maia, que com precisão astronômica, calculou como 21 de dezembro de 2012 como a próxima vez em que o Sol de Solstício estará alinhado com o centro de nossa galáxia. Nostradamus utilizou o símbolo do leão sob o sol com sete raios para simbolizar o momento em que haverá o alinhamento galáctico.

Esse ciclo é conhecido pela ciência moderna como PRECESSÃO DOS EQUINÓCIOS, que determina a evolução da consciência do ser humano, pois a frequência de vibração da Terra faz com que surta efeitos na mente humana.

Várias culturas possuíam o conhecimento da Precessão. O céu já era considerado um relógio gigante pelo astrônomo grego Hiparco, no século II. Outras culturas como dos antigos egípcios, sumérios e Persas que atribuíam a Precessão como um movimento do céu ao Deus Mitra.

Em nosso século, cientistas afirmam que o ciclo solar terá um pico máximo de grande atividade em 2012, em consequência, a temperatura da Terra já está se elevando e provocando alterações nas correntes marítimas e na crosta Terrestre que em combinação com a desproteção causada pelos buracos da Magnotosfera, a Terra fica cada vez mais desprotegida.
Durante o alinhamento galáctico, a Terra receberá mais energia do Sol, o nível de energia vital do homem sofrerá alterações ocasionando uma mudança na mente humana. No momento crucial do alinhamento, o fluxo de energia vindo da Via Láctea será interrompido pela primeira vez em 26 mil anos. O sol interromperá a sua emissão de luz por aproximadamente 72 horas (profecia dos 3 dias de escuridão?), além do interrompimento do fluxo de qualquer tipo de energia como danos em satélites, redes elétricas, celulares, transmissores de rádio, provocando pane em todos os equipamentos eletrônicos e de computação.
Haverá também um pequeno desvio na oscilação do eixo da Terra, com a perda de sua capacidade gravitacional, provocando algumas catástrofes.
Essas previsões são de ordem científica, bem como constam no Livro Perdido de Nostradamus e nas Previsões Apocalípticas por Anito Efésio que foi comparado as quadras das Centúrias de Nostradamus.

Ficar às margens da ignorância sobre os fatos não nos coloca em vantagem. Entretanto, nossas coletas de informações devem se basear em relatos científicos palpáveis em danos ao eco sistema, turbulências no campo magnético interplanetário e flutuações na dinâmica dos fluidos do núcleo terrestre derretido. Sabemos que estamos às portas de grandes transformações da humanidade, mudanças comportamentais que não conseguimos compreender (nunca houve tanta violência, pedofilia, etc.), além de transformações climáticas e fenômenos incompreensíveis (crateras gigantescas). Fechar os olhos para essa percepção nos coloca em situação de dominados juntamente com uma maioria que se mantêm nas rédeas de um grupo governamental que manipula a população da Terra através da ignorância dos fatos.
Esse grupo governamental se encontra nos bastidores e no momento certo, irá mostrar a sua verdadeira face. Resta então, pesquisar mais os fatos e estarmos mais atentos a todas essas intempéries como mudanças climáticas e estranhos fenômenos, a fim de não sermos colocadas às margens de conhecimentos vitais para a humanidade.

NOTA PARALELA: Nessa descarga constante de partículas altamente energizadas provocadas pelas tempestades solares, cientistas defendem que existe um elo estreito de relação entre a Terra e o Sol, os "Portais magnéticos", que se abrem aproximadamente a cada oito minutos de interligação entre a Terra e o Sol. Quando o portal se abre, cargas de partículas altamente energéticas podem viajar 150 milhões de km através da passagem, de acordo com cientistas espaciais. O fenômeno recebeu o nome “evento de transferência de fluxo” ou FTE (de flux transfer event, em inglês). “Dez anos atrás eu tinha certeza que eles não existiam, mas agora a evidência é irrefutável”, disse o astrofísico americano David Sibeck.
O astrofísico Jimmy Raeder, da Universidade de New Hampshire, nos EUA, criou uma simulação computadorizada com estes dados e concluiu que os portais FTE cilíndricos tendem a formar-se sobre o equador até que em dezembro eles deslizam sobre o Pólo Norte. Em julho eles deslizariam sobre o Pólo Sul. Os cientistas ainda estão empenhados em descobrir por que os portais se abrem a cada oito minutos e como os campos magnéticos no seu interior se torcem e enrolam.

4 comentários:

ACADEMIA ALQUIMIA DAS LETRAS disse...

Realmente é uma matéria "assustadora", porém de toda a realidade, possível, pois alguém está omitindo os fatos. Parabéns pelo blog, e pelo livro, estou louco para ler ele.

Abraços,
Academia Alquimia das Letras

ACADEMIA ALQUIMIA DAS LETRAS disse...

Sempre "eles" esconderam o fato...

zedir disse...

eu tinha nosção da gravidade, agora tenho sertesa. parabens. pela materia e ha sua coragem de publicar

Anônimo disse...

que loucura!quanto mais leio sobre o assunto, mais sei que nada sei.esta na hora de gritarmos ao mundo, e que se dane os julgamentos.